Atafona!


MOLIN = ATAFONA I


Portal VenezaA partir desta edission vou relatar com texto e fotos a história das atafonas que existiram e existe nela nostra Venessia. São poucas atafonas que funcionam hoje em Nova Veneza, não chega a 15% do total que tinha, mas algumas ainda resistem ao tempo e a modernidade. Molin, em dialeto vêneto, nesta primeira edição vamos conhecer a atafona (foto) do seu Ercilio Damiani, que esta na localidade de Rio Guarapari. Seu Hercilio há mais de três décadas está ativo com sua tafona que funciona junto ao paiol que abriga também uma serraria pica-pau e um descasdor. Damiani, adquiriu el molin do senhor Laudelino Gava (1926-1999), mais conhecido por Lau, que por sinal é o meu falecido pai. Lau comprou as pedras da atafona em Azambuja-Pedras Grande, de la que vinham as pedras, porque lá estavam os artesãos de pedras e pela abundância do granito de ótima qualidade. A atafona do seu Lau funcionou por poucos anos na rua dos imigrantes, local hoje esta a loja Veneza material de construção, Lau vendeu para o seu Hercilio que aos 88 anos ainda faz as pedras girarem para sair la bona farina.

Segundo o dicionário, atafona é uma palavra de origem árabe, que designa moinho. É o engenho de moer grãos, movido manualmente ou por cavalgaduras. No sul de Santa Catarina, atafona foi um instrumento de grande importância para os imigrantes. Na época da colonização, os agricultores comiam polenta praticamente todos os dias e o milho devia ser moído de maneira mais fácil e prática. Foi aí que o instrumento, movido pela água entrou em cena.Centenas de atafonas foram construídas e instaladas no sul catarinense para satisfazer as necessidades do colonos, produzindo a farinha para o prato mais típico da época. Com o passar do tempo, as famílias foram se tornando menos numerosa, os casais passaram a ter poucos filhos e, na mesa deste povo foram surgindo outros tipos de pratos, que não fosse a polenta e a minestra. A farinha de milho deixou de ser tão essencial e as atafonas foram, aos poucos encerrando suas atividades. Algumas deixaram de funcionar devido as enchentes de 1974 e outras que alagaram muitas casas e prejudicou o bom funcionamento dos instrumentos. Outras, como a procura pelos derivados do milho foi diminuindo, não tinham mais lucros. Hoje, são poucas as atafonas que funcionam em nossa região. Atafona funciona com uma pedra na base e outra que mói o milho, transformando-o em farinha, as pedras são movidas a roda da água, turbina movida água ou energia elétrica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carroças com tração animal!

primeira peregrinação pela ferrovia do Contestado